Mambu Ma Nzambi
REGENCIA DE CABINDA



 
 
 

The "Regencia of Cabinda" is the upper chamber of Cabinda. Members of the Regencia are known as Regentes and by the usual  initials of  M.D.R. "Membro da Regencia". Members of the Regencia are not elected. Originally, they were drawn from the various groups of senior and influential nobility of N'Goyo, Kakongo and Loango, who advised the monarch throughout the country's early history. The majority of members are life peers.The lower chamber or chamber of Commons the Regency functions in a similar way to that of the Parliament of England


 
 

 

 



 
 

REGENCIA DE CABINDA


       A Regência de Cabinda é o Supremo Conselho que Governa os Reinos Estados De N'Goyo, Kakongo e Loango. Existem duas camaras a camara alta ou camara dos Nobres de Cabinda e a camara comum ou camara de Deputados de Cabinda. Regência de Cabinda funciona de forma semelhante ao Parlamento Ingles.
   

RELATO HISTÓRICO

Relato feito por extrangeiros em 1887

       "O ultimo Rei de N'Goyo faleceu a mais de vinte anos, e tal acontecimento esteve oculto muitos meses por conveniências publicas, ao que fazem parecer ;  julga-se, porem, que isto foi para dispor o povo por causa do boato que tem corrido, com todos os visos de probabilidade, a respeito da verdadeira causa da morte. Parece que o Rei, desde que se apanhou no Cargo, começou, segundo uns, a mostrar-se demasiado tirano e, segundo outros, a alterar os costumes ou leis no sentido liberal, visto não ter sido total e constantemente a favor dos Nobres. Pelo que tenho estudado destes africanos, inclino-me à segunda versão, nem doutro modo se compreende como os nobres se aquietassem e calassem tão depressa em presença de tão grande crime, e não o aproveitassem para exercerem as suas vinganças e grandes delapidações, e como tem até permitido que faça parte da Regência o Primeiro Ministro do Rei defunto, o que e totalmente fôra da regra ; o poder do Ministro acaba com a vida do Rei, se não lhe acaba também a vida pela perseguição que geralmente lhe movem então ; o facto de este primeiro
ministro ter Ficado na Regência esperando pelo novo Rei, faz-me supor que ele entrou na conspiração contra o seu senhor, de combinação com os outros nobres, as mulheres reais e talvez com o filho que também faz parte da  Regência.

       Porque o que corre e que o Rei foi assassinado pelas suas mulheres. Ora qualquer mulher, pelo habito de submissão e falta de desenvolvimento da vontade própria com que são criadas, não só não seria capaz de pensar no assassinato do marido, como teria enorme receio de contribuir para o do Rei, pois que teria certa a morte no meio dos maiores tormentos.

    Alguém de certo aconselhou o expediente que se diz ter sido empregado pelas mulheres, alguém que era suficiente para
garantir a impunidade d'ellas, senão para as obrigar a proceder, dando até o plano ; pois não é crível que alguma tivesse a
iniciativa d'alliciar as outras que a poderiam denunciar, até mesmo com o fim d'occupar o primeiro lugar na confiança Regia.

     O que se conta é que estando o Rei a dormir na sua cama, dentro do seu aposento e a meio dela, desviado de todas as
paredes ( por onde se conclui que receava o perigo de fôra, só por exepcao muito rara a cama indígena não estará
encostada a uma parede) e guardado por uma esposa cujo dever era desperta-lo ao menor indício suspeito precauções que
provam quanto ele julgava a sua vida em perigo ; sucedera que a esposa, de guarda em certa ocasião,
saíra da cabana a pretexto de necessidade urgente, para tal ausência servir de desculpa ao que aconteceu e foi atribuído a
pessoa desconhecida ; mas que, na realidade, fôra essa mesma esposa quem enfiara pela regia cabeça, até ao pescoço, o nó
corredio de forte corda cujas pontas, saindo através das paredes opostas, eram de fóra da choupana puxadas d'ambos os
lados pelas restantes mulheres, se não também por algum dos nobres conspiradores. O caso foi que o Rei morreu, o segredo
manteve-se mais ou menos, os nobres não se incomodaram com isso ou até gostaram, e o povo, sabedor do caso tempos
depois, mas desorientado pelos vários boatos adrede habilmente espalhados, contentou-se com o seu papel passivo de nada
fazer, não se metendo nas intrigas da Côrte.

     Publicado o acontecimento, seguia-se a aclamação do Real parente (sobrinho ou irmão) a quem os costumes do País davam a sucessão; mas não havia na Família Real quem estivesse nas condições de ser Coroado e por isso a um Mambuko, ou directo sucessor d'este, caberia a Corôa. A guerra surda estabelecida entre os nobres com o grau de Mambuko demorou a escolha, porque alguns não estavam nas condições ou não tinham haveres para colocarem parentes seus, e uns aos outros se
guerreavam, dificultando a resolução do negocio, para o que sempre eram auxiliares seguros os membros da Regência. Uma
das ultimas tentativas foi feita pelo Barão Puna de Cabinda a favor d'um seu irmão, mas sem resultado, porque este não quis,
de forma alguma, subir tão alto com receio dos acontecimentos; apesar dos gastos feitos para aplanar dificuldades da votação, não houve meio de o decidir, alegando ele sempre que não se sentia capaz de ser Rei, que não podia fazer a vontade aos seus
partidários porque não estaria melhor sendo Rei do que sendo um pescador como era. Vê se uma coisa quase inacreditável :
um Cabinda com as condições para ser Rei, solicitado a sê-lo aceito já por alguns, tendo um irmão que fazia todas as
despesas do cerimonial, um Cabinda que passava de pobre pescador a ser a pessoa mais importante da sua terra, com
poderes absolutos, realizando mais do que tudo o que muitos dos maiores sonham e que ele podia sonhar, recusou a
colocação ! Fácil é suspeitar que pelo irmão ele saberia bastante da verdade, e que aos seus 40 anos sorria mais um futuro
igual ao presente que conhecia, embora humilde, do que as honras de Rei ; quem sabe ate de quantas ameaças teria sido alvo !

      Para ser eleito Rei e preciso : ser do sangue dos nobres de primeira grandeza : ser proposto por influente e aceite pela grande maioria dos mais elevados dos nobres; nunca ter sujado a terra de sangue, quer de gente quer de qualquer grande animal útil ; estar resolvido a ir viver para o interior sem nunca mais tornar a vêr o mar ; possuir o suficiente, seu ou de interposta pessoa que lho forneça, para as despesas da Coroação (afirmou-me o Barão Manuel Puna de Cabinda, que não andarão por menos de trez contos de réis actualmente 1887).

      Aparte outras cerimonias de que não foi possível informar-me convenientemente para d'ellas falar, como sejam os
preparativos dirigidos pelos grandes Sacerdotes, de demoradas, complicadas e repetidas cerimonias religiosas durante
semanas; aparte minúcias da pragmática durante os muitos dias que vão desde a apresentação do candidato até à Coroação, a escolha do seu Mamboma, ou Primeiro Ministro, o novo casamento com Princesa importante, que ficará sendo a primeira
mulher, mas cujo rapto haverá necessidade de simular, bem como vida errante com ela no mato, durante os primeiros dias,
caçando para se alimentarem, percorrendo grandes distancias, improvisando com ramos abrigos para passarem a noite (vida
selvagem que parece ser tradição das suas emigrações até se fixarem neste ponto d'África) ; aparte mil outras dificuldades a
vencer por destreza, coragem, decisão, etc. ; para se ser Rei ha ainda o grande óbice das extraordinárias despesas a fazer
com a compra dos votos dos eleitores, que teem o grau de Mambuko, e com os funerais do Rei anterior, que devem dar
brado através os tempos pela magnificência com que tenham sido feitos: quanto mais sumptuosos forem os funerais e maior a
duração das festas, tanto mais respeito o novo Rei mostrará pelo seu antecessor e mais consideração o povo começará a
ligar-lhe.

      Os predicados exigidos para se ser Rei são muitos, mas apesar disso não dão certeza de que o Rei venha a ser bom ; o seu Primeiro Ministro governara por ele ; terá um carrasco encarregado de fazer justiça sumaria e o próprio Rei não desdenhará de derramar o sangue alheio ; em breve, por extorsões, feitas sob mil pretextos ao próprio povo, ou por guerras com os vizinhos, se indemnizará com grande usura das despesas que fez, etc.

    O Rei poderá ter varias esposas, além da que é considerada primeira na importância ; mas poderá também ter quantas
concubinas quiser; lá, como ca se vê pela historia, toda a mulher (e até a família) se julgará honrada por ter relações regias.

    O tratamento próprio do Rei é Muéne mas tem-se estendido a outros indivíduos ; o Rei, ao ser Coroado, muda de nome.

    Tradicionalmente a Regência de N'Goyo Governava o Reino Estado de N'Goyo desde que faleceu o ultimo Rei até ao presente em que outro não foi ainda eleito. A Regência de N'Goyo é constituída pelo Mamboma do falecido Rei, pela mais importante mulher, d'elle viuva, com o titulo de  Mambuko, e pelo filho mais velho do Rei."
 

Cabindan Nobility Titles

King   =  Ma-N'Goyo

Vice-King   =  Mamboma

Prince   =   Mambuko

Duke   =   Mafuka

Marquess  =  Mankafi

Count , Earl   =   Mombondo

Viscount   =  Lingece

Baron  =   Lubangala

Baronet  =  Matchioua

Lord  =   Kapita 

 



© Regencia copyright.

 MENU - INDICE
 

 

©Federal Republic of Cabinda

cabinda@gmail.com

 

SOVEREIGNTY

©This page is Official and Governmental

 

On the way to Freedom

DIVULGAÇÃO INTERNACIONAL DA LUTA DO POVO DE CABINDA:

DIGNIDADE E INDEPENDÊNCIA

POR CABINDA LIVRE E INDEPENDENTE !
 
 




 Prepared by the Cabindan Information Resources.